INCONFIDÊNCIA ESPÍRITA-CRISTÃS dia 21/04/ 2017 às 17h - GRUPO ASSISTENCIAL AUTA DE SOUZA - R 24 de Junho, 185 - Morro Santana - Ouro Preto, MG

                              INCONFIDÊNCIA ESPÍRITA-CRISTÃS

           "Assim como o Cristo disse : " Não vim destruir a lei, porem cumpri-la",também o Espiritismo diz: " Não vim destruir a lei cristã, mas dar-lhe execução." Nada ensina em contrário ao que ensinou o cristo; mas,desenvolve , completa e explica, em termos claros e para toda  gente, o que foi dito apenas sob forma alegórica . Vem cumprir , nos tempos de preditos , pois, obra do Cristo, que preside , conforme igualmente o anunciou, à regeneração que se opera e prepara o reino de Deus na Terra." - Allan Kardec  ( Item 07, capítulo I, O Evangelho  Segundo Espiritismo)

        O Espiritismo, como a sábia e fiel Escola prática do Evangelho de Jesus, a resgatar gemas do conhecimento e da aplicação, com que inaugura o novo tempo da consciência nos homens, colheu-nos, por misericórdia do Alto, em suas redes poderosas, estruturadas pelos vigorosos e imperecíveis fios da luz e da verdade, despertando nossa alma e educando-nos para o Bem Supremo, a cujo serviço deveríamos nos consagrar na existência, a fim de inaugurar em nós o tempo da fraternidade viva e da autêntica revolução, como passo firme e lógico ao Espírito de quem já animara a verve libertária de um Inconfidente, nos idos tempos da antiga Vila Rica.   

           A fundação do "Evangelho de Cristo" (1), em Ouro Preto - um desafio político e religioso, pela saturação histórica que todo o País bem reconhece -  nos colocou à frente do curso infalível do destino, que retrata justiça e misericórdia, visando aos sagrados objetivos da evolução.

           Recebendo o apoio de grandes amigos do pretérito e de veneráveis benfeitores, de nada valeria as agressões e as resistências - físicas e morais, dos dois planos da Vida Infinita -, porque a Verdade Cristã, a resurgir das bases espíritas, é a Sol Divino a desintegrar miasmas do personalismo e da má-vontade, quando a ofuscar o orgulho e a vaidade dos pseudo-sábios.

         A força do Consolador Prometido é a força da Natureza de nosso Pai, a varrer sombras e pó dos corações mais empedernidos. Sob o vigor de suas excelsas expressões, qualquer coração de boa vontade no mundo torna-se canal de iluminação autêntica, fomentando religiosidade íntima na renovação inadiável.

         Dotado de algumas prerrogativas mediúnicas, não nos era desconhecida de todo a movimentação dos Bons Espíritos, que no Templo que fundáramos com a cooperação de valorosos companheiros, e que dirigíramos por vários anos, levavam a efeito sérios trabalhos de renovação mental e sentimental de encarnados e desencarnados – muitos ainda envolvidos nas questões já referidas da Inconfidência das Minas Gerais, da escravidão negra e do destempero clerical ante os poderes religiosos e políticos.

           Já se disse por aí, na Terra, que ``tempo é lugar´´ pra o Espírito. E isso é fato corriqueiro para quantos estudamos, pela mediunidade ou do Além, o estado íntimo de grande contingente de almas, cada qual vinculada a ocorrência e padrões que lhes representaram laço e tropeço.

           Do Plano Espiritual, a região que abrigou acontecimentos tão importantes para nosso rincão pátrio e que nos acolheu para as vivências que hoje nos enriquecem, ainda se encontra bordada por hostes partidárias de entidades que não avançaram no tempo e permanecem resguardando tradições e impressões as mais variadas, dentro daquela pata histórica que marcou profundamente a vida da região.

           Na Vida Maior pudemos, ao lado de antigos companheiros espirituais que nos orientaram por muito tempo no Grupo Espírita, como o Domingos Vidal e o Tarquínio, aprofundar a gênese dos compromissos que nos reuniram naquele Grêmio de amor e estudo, quanto tomar ciência de fatos e serviços ali desdobrados em prol da liberação humana – tudo com base nas lições imortais do Cristo, agora dignificadas e purificadas dos exotismos exteriores a elas agregados no tempo pela ciência e filosofia espíritas.

            Aprendemos e concluímos, na Vida Mais Alta, após o labor que deixáramos, que estamos inseridos em sublime trabalho de política divina – salutar e benéfica – a operar nas bases, que são os homens – nossos irmãos -, o advento da nova era, da Regeneração, quando a Lei de Amor garantirá a vida mais alta e mais bela, com a promoção, do Ser, a Filho de Deus, cujo Reino Celestial será vivido e refletido por cada coração.

           Nesse sentido, as comemorações dos duzentos anos da famosa Inconfidência, trouxe-nos, ao singelo e esforçado Grupo Espírita, uma benção que até agora nos felicita e nos anima os ideais de renovação: um mensageiro de Mais Alto, acompanhado de antigos trabalhadores espirituais de nossa casa, convocou-nos a receber na data histórica do martírio de Tiradentes, a sua presença e a sua palavra, tendo em vista a edificação cristã levada a efeito pelo Grupo, com dedicação.

           No dia aprazado, aos primeiros movimentos da madrugada a se romper, nosso Templo regurgitava de Espíritos de toda condição, mas nenhum eclipsado do corpo denso pelo sono, vinculados à região e outros visitantes.

           O Alferes sacrificado chegou acompanhado de muitos companheiros nobres, como o fundador de Brasília, JK, Tancredo, Rui Barbosa, Monteiro Lobato, José do Patrocínio e outros. Sua simplicidade e gentileza tocavam-nos os corações. Tomando a direção daquela inesquecível assembleia, abençoou a casa e os servidores da novel Doutrina que ali operavam desde o seu surgimento, salientando a importância  do trabalho ali desenvolvido, pela assistência prestada e notadamente pelo “desentranhar das luzes cristãs da forma textual do Evangelho” (2), o que, conforme palavras suas, segundo lhe fora informado por Pedro de Alcântara, o bondoso e paternal segundo regente do Brasil, representava a consolidação do objetivo espírita no mundo.

           O nobre visitante discorreu sobre a legitimidade da libertação, que para ser efetiva deve ter por base a consciência voltada para Deus, suas Leis e ao próximo – nosso irmão. Estimulou a todos a empreenderem a conquista de si mesmos, e comunicou-nos que o próximo século conhecerá grandes estadistas e educadores, humanistas e inspirados, artistas de escol e muitos corações espiritualizados - todos investidos, em seus corações, das preciosidades que Jesus nos legou há dois milênios.

           Foi uma noite de luzes e bênçãos fraternais, que nos alimentou e acresceu à nossa vocação cristã. Indescritível a emoção, a esperança, a fé...

           Que nossos companheiros jamais desanimem. Que nossos irmãos da Terra, cada vez mais, abracem a tarefa com o Cristo. Que não haja discórdia, mas entendimento. Que não se cante as imperfeições, mas que se trabalhe a luz!

           Nosso Ideal Espírita é porta de acesso ao Mundo Regenerado. A libertação do Evangelho pelos princípios espíritas é providência dos Céus. Portamos, como espíritas-cristãos, a missão sublime de iniciar o mundo no plano da paz e das efetivas realizações. Lembremos-nos disso!

(1)           Referência ao Grupo Espírita “Evangelho de Cristo”, fundado por nós e alguns companheiros em Ouro Preto (MG). – Nota do Ator Espiritual.

(2)           Referência ao estudo de “O Novo Testamento”  à luz do Espiritismo. – Nota do Autor Espiritual. Referência biográfica do autor à pág. 203.


Voltar

Confira também:


Rua João XXIII, n 420 - Bairro São Cristovão
Ouro Preto - Minas Gerais